De jeito nenhum! Os efeitos da homeopatia são notáveis, inclusive em casos crônicos que já se arrastam por um bom tempo. A verdade é que estamos acostumados com o raciocínio de que “o remédio X é para tratar a doença X”, mas esquecemos que nem todo tratamento segue essa mesma lógica. É preciso lembrar que a homeopatia não trata doenças e sim doentes. 

O desconhecimento e a falta de compreensão quanto maneira como age o medicamento homeopático gera resistência às pessoas. Se você ainda tem dúvidas dos benefícios da homeopatia, basta trazer a reflexão:

Tenha em mente que um fio de cabelo tem aproximadamente a espessura de 50 mil nanômetros. Um nanômetro, por sua vez, seria 1 mm dividido por 1 milhão. Os medicamentos homeopáticos estão em concentração nanométrica ou menores ainda. Um exemplo mais próximo: o estradiol, um hormônio feminino, normalmente está em uma concentração de 330 picogramas por mililitro de sangue. Isso corresponde, na escala homeopática, aproximadamente a 5CH. Como explicar que um medicamento homeopático nesta escala, por exemplo uma Belladona 5-CH, seria placebo se um hormônio no seu sangue na mesma concentração possui efeito sobre seu corpo?

Os medicamentos homeopáticos podem ser indicados para uma diversidade de enfermidades, mas é importante que haja relação entre a patogenesia e as reclamações e queixas relatadas pelo paciente. Isto justifica a demora percebida durante o atendimento homeopático, já que o médico necessita sistematizar todas as informações necessárias na elaboração do receituário.

Além disso, vale destacar que o tratamento homeopático deve ser sempre indicado por um homeopata pois precisa ser adaptado às condições físicas e emocionais de cada paciente, e nunca deve substituir o tratamento clínico sem que haja conhecimento prévio do médico que o prescreveu.